Itinerários

A trajetória de um estudante é o resultado da confluência de sua própria personalidade com as indicações que ele recebe da tradição. A fórmula dessa confluência é personalíssima; e abre a cada pessoa que se lança à vida de estudos um determinado número de itinerários possíveis — que ela deve palmilhar, com ânimo e serenidade, como quem busca a solução para um problema da maior importância.

O sucesso dessa travessia depende do conhecimento que se tem (e do manejo que se faz) de seus genuínos anseios, de suas disposições pessoais e de sua força de vontade; mas também do nível e da qualidade do acesso que se tem ao depósito da tradição, representada (imediatamente) por seus mestres e (através de mediações) pelos autores que, ao longo da história, estabeleceram determinadas indicações nos pontos de menor visibilidade.

Para o mais perfeito cruzamento desses dois fatores é preciso conhecê-los com alguma profundidade.

O conhecimento de si, longe de ser mero instrumento de técnicas de auto-ajuda, é a base para o florescimento dos indivíduos e, por consequência, da sociedade que eles compõem. O acesso à tradição literária ocidental, por outro lado, serve de alimento para a inteligência e de guia no caminho do florescimento.

Por ser uma via privilegiada para o conhecimento tanto de si como da tradição, a literatura imaginativa é o princípio de toda vida de estudos. A absorção de algumas boas dezenas de obras clássicas da literatura imaginativa universal é a maneira mais eficaz de povoar o nosso imaginário e, com isso, tornar mais rica a experiência que temos da realidade.

Estando o imaginário minimamente enriquecido através das narrativas mais significativas da literatura ocidental, será o momento de seguir viagem – ainda que à guisa de explorações de circunstância – pelas disciplinas que lhe despertam maior interesse: história, filosofia, pedagogia, direito, crítica literária, sociologia, psicologia, medicina, física etc.

Paralelamente a isso, mesmo que o seu interesse não seja propriamente a filosofia, certamente será prudente conhecer pelo menos as principais discussões que animaram a atividade de Sócrates, Platão e Aristóteles entre os séculos V e IV a.C. e as soluções que buscaram oferecer a elas.

Se você está iniciando a sua travessia, é possível que possamos ajudá-lo(a):

→ Na escolha e no acompanhamento de leitura das obras clássicas da literatura imaginativa;

→ Na superação das variadas dificuldades iniciais de uma vida de estudos; e

→ No conhecimento e na meditação das principais questões trabalhadas pela Filosofia Grega.

Caso o seu itinerário pessoal preveja a passagem por alguma(s) dessas vias, aproveite nossos textos e se matricule em nossos cursos!

Bons estudos!